quarta-feira, setembro 06, 2017

Números da série sobre os principais times catarinenses

De segunda-feira até hoje, quarta-feira, o Diário Catarinense publicou uma série envolvendo números dos cinco principais times do Estado: Avaí, Chapecoense, Criciúma, Figueirense e Joinville (leia todas as matérias clicando aqui).

Entre os números que me chamaram atenção estão o baixo público do Criciúma na Série B, míseros 2.720 torcedores - menor que o JEC, da Série A, que tem 3.938 de média. Outro fator é a Chapecoense que, sabe-se lá como, não tem o dado do número real de sócios. Fala-se em mais de 40 mil, mas sem nenhuma precisão de quanto isso gera aos clubes.

O bom foi saber que os clubes estão tentando buscar alternativas de levar o torcedor para os estádios novamente — inclusive pressionando para a liberação da cerveja (sou totalmente a favor). O resultado demora um pouco, mas as ações positivas do Avaí, sempre envolvendo os sócios, usando bem as redes sociais, e o Figueirense, que agora tenta reatar uma relação rompida durante a gestão Wilfredo, são muito positivas.

segunda-feira, agosto 28, 2017

A importância da torcida do Figueirense

Foto: Luiz Henrique/FFC
Quase 8 mil pessoas, um público em jogo pequeno para a campanha do time de 2007, por exemplo, mas que hoje faz uma diferença grande no Figueirense. Foi a massa, junto com os jogadores, que conquistaram o 2 a 1 em cima do Guarani.

Falta organização tática, sobra Figueira êo. Perde gol, entra Figueira êo. O preço popular, a gratuidade do sócio levar um amigo e a mudança da gestão do clube, principalmente, foram os fatores determinantes para a torcida "dar o braço a torcer" e dar mais uma chance para aquele amor bandido presente no Scarpelli.

Se Wilfredo Brillinger, com seu estilo de comando e sua equipe, não é só ele, competente em afastar o torcedor do clube conseguiu essa proeza, a gestão dos investidores, com o Alex Bourgeois na linha de frente e aparecendo em tudo, está tratando de, mesmo com ressalva de muitos, devolver o clube aos poucos ao torcedor.

Não se faz futebol sem torcida, e Bourgeois disse isso na coletiva de apresentação dele. Estava mais do que certo.

sábado, agosto 26, 2017

Apostas na luta Floyd Mayweather x Conor McGregor

Encarada pré luta. Foto: AFP

Finalmente chegou o dia da tão esperada luta entre Floyd Mayweather e Conor McGregor, neste 26 de agosto, na T-Mobile Arena, em Las Vegas. Desde o anúncio as bolsas de apostas oscilaram em quem seria o vencedor. E a confiança no invicto campeão mundial de boxe Mayweather é grande.

Hoje, dia da luta, ao colocar R$ 10 em Floyd o retorno será de apenas R$ 2,30. Mas se a aposta for em McGregor, os mesmos R$ 10 vão render R$ 35 em quem bancar a zebra.

A probabilidade mais segura é uma vitória de Mayweather por pontos, dominando a maioria dos 12 rounds programados. Uma vitória de McGregor, que é capaz de acontecer, viria apenas por nocaute. A dica seria nos três primeiros assaltos.

quinta-feira, agosto 24, 2017

Lista dos melhores sites de apostas esportivas


Se existe um mercado que vem ganhando cada vez mais adeptos, seja por diversão ou mesmo para se tornar uma profissão, é o ramo das apostas esportivas. O brasileiro é um apaixonado por esportes, e poder aliar sorte, análise e a chance de ganhar dinheiro tem motivado uma legião de fãs a depositarem seus "trocos" em casas de apostas.

Por isso listo abaixo algumas das boas casas em que o leitor pode confiar o seu dinheiro e tentar, uma expressão bem popular, quebrar a banca.

Bet356
Sportingbet
Bumbet
188bet
Betboo
Betmais
Rivalo

quarta-feira, abril 06, 2016

Vídeo: Novo uniforme do Avaí 2016

Boas sacadas, quando bem executadas, resultam em bons trabalhos. E a comunicação e marketing do Avaí acertaram em cheio com o vídeo do lançamento do novo uniforme para a temporada 2016. Além da imagem simpática do Leãozinho, ainda utilizou quatro jogadores que são ícones para qualquer torcedor: Fantick, Jacaré, Adilson Heleno e Marquinhos.

quinta-feira, fevereiro 18, 2016

O que o Figueirense está fazendo com Hudson Coutinho?

Profissionais erram, é normal, mas quem comanda um clube de futebol também. Hudson Coutinho assumiu uma barca furada, com rombos deixados por René Simões, e conseguiu salvar o Figueirense do rebaixamento na Série A. Ao final do ano, conversa daqui, passeio no barco do presidente, e o treinador renovou o contrato.

Começa o Catarinense, o time ganha do Brusque, com direito a apito amigo, empata com Guarani e JEC, e perde para o Criciúma (resultado normal). O treinador dá uma entrevista atravessada e, antes mesmo de saber, é rebaixado de treinador para auxiliar técnico. Toca.

O time joga com o Inter de Lages no Scarpelli e perde. O mundo caiu! E nesta quinta, pelos serviços prestados, Hudson ganha férias, após ser interino dele mesmo, e Tuca Guimarães - que acredito ser um bom profissional, mas talvez venha a ter uma força extra, assume interinamente até que outro técnico seja contratado. Inacreditável Futebol Clube.