segunda-feira, março 31, 2008

Desabafo Pós-clássico

Num domingo bacana e de experiências novas, como vender cerveja antes da peleja, tudo tinha pra ser perfeito. Vendemos bem, tudo, nos divertimos, tomamos o estoque e por aí vai. Foi o primeiro clássico da vida do Gutinho, meu primo de 11 anos. Ele foi comigo cedo, ajudou ali a pegar gelo no carro, tomou coca na faixa, tava curtindo tudo.
Foi o primeiro jogo da vida da Jana, minha noiva. Nunca tinha ido num estádio, e foi logo no clássico. Ela não vai porque passou a criar nojo do futebol, justamente por eu ser tão louco por esse esporte.

Tudo caminhava numa boa, troquei o setor B pelo D, pra poder ficar junto com ela a Thais e o Gutinho. Na hora em que eu e o Gutinho voltávamos para a parte da torcida do Avaí, era lá que vendíamos a cerveja, vinha um monte de gente correndo, um bonde, da Mancha Azul. Na hora meu primo se assustou e voltamos pro lado do isopor. Chegaram gritando “Ih, fudeu! A Mancha Azul apareceu”. Estavam cobertos de razão, fudeu mesmo.

Passavam torcedores com a camisa do Figueirense e os idiotas xingavam, batiam e chegaram ao cúmulo, sim, se acham pessoas e torcedores, de chutar um senhor, não to falando de mim, mas que poderia ser o seu pai, pelas costas. Tu consegue ver isso sem se exaltar?
Peitar um policial é atitude de torcedor, cidadão ou bandido?
Pois foi o que alguns fizeram, e aí meu amigo, o pau pegou e o pessoal do GRT soltou bomba e bala de borracha.

Pare e pense.

Botei minha noiva e meu primo atrás de mim espremidos numa grade. Quando aliviou um pouco eu olhei pra eles, os dois estavam chorando. Chamei eles para irmos pro outro lado, onde não tinha nada, mas o meu primo estava grudado na grade, em pânico. Levei-os até um lugar seguro e fui guardar o isopor e outras coisas no carro. Quando voltei eles estavam na casa de uma família, ele chorando muito, assustado demais, e minha noiva segurando ele.

Agora eu pergunto, sério mesmo. Uma criança de 11 anos vai querer voltar pro estádio? Ele vai querer ir ao jogo comigo? Que imagem ele têm, a partir de ontem, dos torcedores do Avaí? Aqueles que ele viu batendo num senhor, dando tapa em quem passava com a camisa do Figueirense e que fizeram toda a confusão que ele teve a infelicidade de ver. O que ele ta pensando hoje?
Não quero nem tocar no assunto Seu Ivo, a bomba a gente sabe de quem saiu.

O meu sentimento até agora, 12h37 dia do dia 31, é de raiva, muita raiva. Tanto que me faz chorar. É o pior sentimento que alguém pode ter, mas é mais forte que eu. Eu vou voltar pro estádio, vou assistir ao esporte que eu mais amo, tirar sarro dos amigos, aceitar as brincadeiras. Não foi dessa vez que eu desisti, porque eu sou torcedor de futebol.

Ah, quando eu voltava pra casa, isso bem tarde, umas 22h, fui parado por uma blitz do GRT. Após a verificação perguntei se eles estavam no estádio, confirmaram e eu dei parabéns pelo trabalho. Só deveriam acertar os bandidos, muita gente boa paga pelos outros, o que é totalmente injusto, mas eles fizeram o trabalho deles, quer dizer, eles não deveriam nem fazer nada, só a presença, já que era apenas mais um jogo de futebol. Mas aí os idiotas... filhos da puta.

Isso não vale só pra Mancha, mas pra Gaviões também.

Nenhum comentário: