sexta-feira, março 20, 2009

Papo com Rafael Tesser

Lateral está no Marcílio Dias

O Papo Catarinense conversou com Rafael Tesser em Dezembro de 2008 e ele contou como estava a sua vida na Itália. No começo de março ele foi contratado pelo Marcílio Dias, para minha surpresa, e fez uma excelente partida contra o Figueirense.

Antes do papo, eu digo que é um desperdício vê-lo jogando no Marcílio, principalmente com o rebaixamentos e aproximando. A partida de ontem mostra que ele teria futebol para ser titular do próprio Figueirense ou qualquer outro time de Santa Catarina.

Papo Catarinense - Como surgiu a oportunidade de voltar ao futebol catarinense?

Rafael Tesser - Eu estava junto ao Ricardo Malzoni na Itália, aquele amigo que jogamos juntos no Coritiba e no Joinville. Ele me comentou que o Sérgio Ramirez era o treinador do Marcilio Dias e tinha entrado em contato com ele porque estava querendo trazer ele para Itajaí.
Como eu estava pensando em rescindir meu contrato na Itália, por uma série de coisas, para voltar para o Brasil, e o Ramirez já havia sido meu treinador no Joinville, pedi ao Malzoni que falasse com ele para saber se poderia haver um interesse no meu nome.
Entao o Ramirez gostou da ideia, disse que estava precisando e que eu poderia dar uma mão ao time, que iria conversar com a diretoria para saber se seria possível me trazer. A diretoria aprovou meu nome e então eu rescindi lá e acertei com eles (Marcílio).

PC - Foi fácil a saída do Benevento?

Tesser - Foi e não foi.
De um lado foi fácil, porque afinal de contas dependia só de mim, isto é, eu tinha contrato até junho, não estava sendo aproveitado, tinha um bom salário e queria ir embora. Justamente o clube não iria criar problemas para minha saída. Mas de outro lado não foi nada fácil, já que para poder ir embora eu tive que renunciar todo o resto do contrato, simplesmente receber até o dia em que eu trabalharia, quando na verdade eu poderia ficar lá, cumprir o contrato e receber muito, muito mais do que o Marcílio com esforco poderia me pagar.
A coisa mais difícil foi eu aceitar esta redução em prol da minha família, do nosso bem estar, para estarmos perto de todos depois de dois anos no exterior.
Resumindo, difícil foi eu renunciar aquele contrato, porém uma fez que eu aceitei não encontrei problemas maiores com o clube, até porque para eles era muita vantagem.

PC - Além do Marcílio, algum outro time te procurou?

Tesser - Oficialmente não. Como já te falei em uma outra ocasião, sempre especulações e basta.

Crédito de foto
Fotos do arquivo pessoal e site oficial do Marcílio Dias

Um comentário:

Anônimo disse...

Jorge concordo com você esse cara tem futebol para grandes da serie A.

Um abraço, tudo é questão de consciência!

Jorrgiiiii!