quinta-feira, setembro 24, 2009

Boleiros da Bola - Jogo 23


O Brasileirão precisa de 20 times para ser concorrido, enquanto o Boleiros da Bola faz jogos históricos com apenas dois times. No último sábado, dia do mosquito paladino, os Bluus deram uma aula de superação e bateram os Rédis por 11 a 10.

Os Rédis, visualmente com um elenco mais forte, logo abriram o placar. Abriram vantagem com gols de Cleber, Fábio ou Ricardo, logo 3 a 0. Fellipe, o contestado, abriu o marcador para os azuis celestiais e mandou a torcida calar a boca, num ato de indisciplina que será julgado pelo STJB.

Os vermelhos paixão ficaram o tempo todo na frente do placar, com os anilados sempre correndo, literalmente, atrás da máquina. Discussões aos montes para os dois lados, ora por gols perdidos, ora por passes errados e faltas, sempre elas, duvidosas.

Pedro Guiñazu jogou uma de suas melhores partidas pelos colorados, mas não poupou reclamações, para variar, em cima do veterano atacante Paulinho Pet Evangelista. Pet, por sinal, cavou a falta mais feia da história dos Boleiros. Rolou sobre o tornozelo, bola, joelho e se ralou todo. Típico do dvd do Zico que ele comprou.

Cristiano Padilha marcou um golaço (?) por cobertura. Segundo ele, Daniel Vicente lançou e o ponta tocou por cima do goleiro Evangelista.

O homem da chuteira branca

Iluminado por uma estrela que começou a brilhar na sexta-feira retrasada, Fábio Ganso Lima fez, sem modéstia, a melhor partida de sua cambaleante e irregular carreira. Marcou três gols, sendo um de fora da área, fato raro no seu miúdo currículo.

A "culpa" pela exibição, segundo fontes portuárias do litoral paulista, deu-se devido a sua nova chuteira, uma branca da Umbro com detalhes dourados. De uma viadagem (sem homofobia) gigantesca.

Sob a batuta do Maestro (nunca um intertítulo foi tão literal)

59 minutos de jogo. 10 a 10 no placar eletrônico do Playball. Os Bluus pressionam para a virada. Alguns chutes foram desperdiçados, gerando contra-ataques perigosos dos Rédis.

A bola chega ao pé direito do Maestro Jorge Jr. Ele curva o corpo 51º à direita. Com olhos de lince, observa todas as possibilidades de passe naquela fração de segundo. Vozes gritam de todos os lados suplicando por mais um passe açucarado, enquanto o goleiro adversário, o magnífico, idolatrado, salve, salve, Fernando Evangelista morde os lábios com expressão de medo.

Dois passos curtos, 78 centímetros percorridos pelos pés e a bola. O corpo do Maestro se posiciona como uma porquinha encaixa num parafuso cheio de óleo, com facilidade. O pé direito encosta com o metatarso do dedão na bola e ajeita-a. A perna esquerda faz o pêndulo cravando as travas na grama, criando uma viga de concreto inabalável. A perna direita é acionada como um míssel, flexionando e extendendo o joelho na velocidade da luz. A bola encontra o aconchego do peito do pé do Maestro. Ela sorri. Despede-se com um beijo e viaja, rente ao chão, até passar pelo goleiro Evangelista e consagrar, mais uma vez, uma atuação bethoniana do Maestro Jorge Jr.

11 a 10 para os Bluus e o jogo é encerrado 48 segundos depois do tento anotado. Vitória.

Foi um teste para cardíacos (intertítulo dado pelo Padilha)

É amigo, haja coração!

O jovem meia cancha Lucas deu um cagasso na rapaziada. Torcemos para que ele volte os gramados em breve, talvez num dia sem sol, e marque pela primeira vez um gol nos Boleiros da Bola. Está invicto. Nunca balançou as redes.

Coletiva

Pela primeira vez a entrevista coletiva acontece com um jogador das categorias de base do Boleiros da Bola. O pequeno Davi, filho do Paulinho Scarduelli e da Veridiana, foi sabatinado pela a imprensa chapa preta. Vamos ao papo.

Repórter Boleiros da Bola - De acordo com os seus conhecimentos técnicos, táticos e em metalinguística junto à teoria da comunicação não verbal, como foi o jogo?
Davi - Não sei.

Repórter Boleiros da Bola - Qual o melhor jogador do Boleiros?
Davi - Meu pai.

Repórter Boleiros da Bola - O que você mais aprecia em vir aos sábados prestigiar os Boleiros da Bola?
Davi - Eu gosto quando acaba o jogo, porque daí eu e a Sarah (irmã) entramos na quadra pra jogar bola.

Repórter Boleiros da Bola - Qual o seu ídolo no futebol?
Davi - Com certeza é o Maestro Jorge Jr. É mágico vê-lo jogar, mesmo eu não prestando atenção no jogo. Quando crescer quero ser igual a ele.

Agradecemos ao Davi pela entrevista. O garoto tem um futuro muito promissor, principalmente por ser fã de um grande craque, talvez o maior jogador de todos os tempos do Boleiros da Bola.

Notas do jogo

Fernando Buffon Evangelista (6,5 - Não fechou o gol)
Cleber Jadílson do HoraSC (7 - Ala esquerda dominada)
Cristiano Padilha (7 - Ponte de lança antigo, estilo João Paulo do Guarani)
Cleberibson lertudojunto (7 - Inventa mais jogadas do que histórias. Voltou a jogar na média, mas média alta)
Fellipe Lebre
(6,5 - Foi bem, assim como foi mal. Tem muito esporro pra tomar ainda)
Paulinho Brown GP Scarduelli (6,5 - Importante, mas não se fez decisivo)
Jorge Xavier Jr. (8, mas merecia 10 - O nome do jogo)
Dale Jerônimo (7 - O cérebro pensamente. Pecou na bicicleta)
Pedro Guiñazu (7 - Bem na marcação, desarme e na discussão)
Paulinho Zicópia Evangelista (7 - Revelação. Os dvds do Flamengo estão fazendo efeito)
Banko Martini (7,75 - Goleiro artilheiro. Pegou bem, melhorou a reposição e ainda faz gol de pênalti)
Daniel Schmöller Vicente - (6,75 - Voltou sem nenhum ritmo de jogo, mas segura as pontas na zaga)
Lucas Gago (sem nota por ter jogado pouco)
Ricardo Imperador (7 - Incomoda muito. Tamanho do Maradona com a proteção de bola do Adriano. Um mini tanque)
Fábio Ganso Lima (7,25 - Dúvido que melhora essa nota. Pode dar um print e salvar)

Ficha Técnica

Os Rédis (10)

Fernando Evangelista; Cleber, Pedro, Paulinho Evangelista e Scarduelli, Fábio Lima, Lucas e Ricardo.

Os Bluus (11)

Banko; Cleber do HoraSC, Daniel Vicente, Jorge Jr, Padilha, Jerônimo e Fellipe.

Gols:
Três do Maestro, do Fábio e do Paulinho Evangelista
Cervejas: A quantidade certa pra sair às 14h
Pingo d'Ouro: Só um. Mais teve três amendoins por conta da casa

9 comentários:

Anônimo disse...

Se não fosses jornalista será que serias um craque de futebol? Pois pelos jogos realizados até agora já estais conquistando fã clube.
Parabéns pelo gol que consagrou a vitória.
bjos mãe.

Jorge Jr. disse...

Mãe, eu sou um craque de futebol. Eu ia dizer que tá pra nascer alguém melhor que eu, mas ele já nasceu. Ainda é banguela, já fala "bo" de bola e bate com as duas.

beijo

Anônimo disse...

Tá sobrando futebol e faltando critério na distribuição dessas notas, mestre. Não importa o que o cara jogue, ganha 7! Menos sensato que isso só as notas da torcida no Globo.com

Não haverá bicicleta, carrinho ou encontrão com muro da próxima vez!

Jerônimo "la patada" Rubim

Paulo Scarduelli disse...

Jorge, parabéns pela descrição do gol mais importante da partida.
Adorei, embora tenha perdido o jogo.
Gostei também da entrevista com o Davi. Ele realmente curte o sábado de manhã, por causa do futebol - depois do nosso jogo.

PS. Sábado que vem? Estaremos de novo no Flamenguinho...
Tá na hora de voltar a ganhar.

Scarduelli

Paulo Scarduelli disse...

Estarei lá no sábado.

Artur de Bem disse...

Um chute.
Tão simples quanto piscar o olho.
Mas eu não sabia que tinha tanta coisa num chute só.

Vo até jogar a apostila do Fernando Evangelista fora.
Tudo que eu poderia aprender sobre "olhar diferente o banal" eu aprendi com essa tua descrição.

Agora vou poder te chamar de Maestro, não só pelo futebol, mas pelo teu texto. Já era teu fã, agora eu serei teu servo.

Parabéns, Maestro!

Diego Wendhausen Passos disse...

Amanhã estarei de volta após um sábado afastado. Desta vez tivemos novidades na coletiva. O Davi enaltecendo o pai e escolhendo um ídolo (Jorge Fenômeno) dentre os atletas. Pretendo deixar minha marca e depois bater um papo com meus amigos Repórter Boleiros da Bola e o Fora da Casinha.

Abraços

Ricardo Jahn disse...

Sensacional cara! Paulinho Pet foi a melhor fácil! Que rolamento foi aquele? Digno de um soldado do pelotão de frente do Irã!!

Anônimo disse...

Hilários teus textos Jorge. Depois de tanta propaganda do Guinazu gremista, sempre volto aqui a cada semana pra ler a resenha do jogo.

Abraço.
Felipe do Online