sexta-feira, outubro 23, 2009

Boleiros da Bola - Jogo 27

Jogo com aniversário é sempre mais concorrido, mais disputado e com placares apertados. A lógica boleriana se confirmou no último sábado em mais um embate entre os Rédis e os Bluus. Foram 21 gols anotados, 243 gols perdidos e um pênalti desperdiçado, melhor, defendido, sem se adiantar, por Paulinho Evangelista, dos rubros. Os azuis levaram a melhor, 11 a 10.

O Jogo

O relato não conta os primeiros minutos, já que a imprensa demorou cerca de dois minutos para chegar. Os Bluus, com quatro jogadores defesa, levaram a melhor até a metade do certame. O poderio ofensivo dos Rédis falhava na marcação e o pobre Paulinho Evangelista não é milagreiro. O placar ia alargando em favor dos azuis celestiais. A entrada de Jerônimo no vermelho, vermalhaço, vermelusco, vermelhão, melhorou a marcação e o Maestro Jorge Jr só distribui os passes e corria para finalizar. Perdeu uns gols, mas deixou a sua marca em duas oportunidades.

A partida foi se igualando até chegar a 9 a 7 para o time da cor do capeta. Mas a pressão do time que é nome de ritmo musical no plural foi maior e chegaram ao vira-vira com dois gols do matador Negrão.

Goleiros Primos


O que poderia fazer da partida um drama, já que o goleiro titular Banko sumiu da concentração, acabou consagrando o goalkeeper Paulinho como novo polivalente do certame. Além do pênalti, saiu "na coraaaaagem" e intimidou o indisciplinado taticamente Pedro Rockenback, que acabou não fazendo o gol. Além disso, salvou os Rédis em pelo menos outras 125 oportunidades.

No outro gol, voltando após uma semana no Azerbaijão, Fernando Evangelista, primo do Paulinho, confirmando que o nepotismo existe no futebol brasileiro, teve atuação destacada, mas sem pegar pênalti. Defendeu uma execução quase perfeita do Maestro, além de contar com a sorte em bolas na trave e riscando o poste.

Notícias do DM

Luiz Alano, que vai narrar a classificação do Avaí para a Libertadores e o gol do acesso do Figueirense, marcado pelo Bruno Perone, está fazendo tratamento com médicos especializados no seu problema, e pretende retornar em breve aos gramados sintéticos e outras atividades.

Já o bom velhinho Gonzalo está fazendo fisioterapia tailandesa.

Aquele Abraço

O meia-volante-zagueiro-atacante Richard, que se despediu dos Boleiros da Bola rumo ao sucesso na terra do Tio Sarney, ops, Tio Sam. Com certeza fará falta nas nossas partidas, não só pelo pagamento do mensal, mas pela cerveja pós-jogo e o temperamento tranquilo durante as partidas.

Falando em nome de todos, agradecemos o tempo desperdiçado conosco. É um grande prazer ter te conhecido e um motivo a mais para o Pedro se orgulhar de te ter apresentado a este bando de jornaleiros e escritores de horóscopo.

DieGOL

Hoje não temos coletiva, mas o DieGOL é o personagem. O jogo era em comemoração ao seu aniversário, tanto que nem foi para o gol e foi substituído poucas vezes. Incorporando um futebol raro na data festiva, DieGOL teve a honra de perder um pênalti, aliás, Paulinho defendeu.

Após o jogo, em um churrasco feito com bife, coisa inédita nesse lado de cá da fronteira dos pampas, o jovem atleta foi agraciado pelos colegas com uma camiseta do Avaí. Presente dado com todo coração pelos Boleiros da Bola e entregue pelo ídolo do Chapeleiro Maluco, o polivalente Cleber Ypioca Gold.

Vale falar mais da maestria em que o nobre DieGOL comprou a carne. Ele foi ao Imperatriz e pediu dois quilos de coxão mole. Até aí beleza, só que mandou o cara cortar em bife, bem fininho, e passar na máquina. Se o menu fosse bife acebolado ou a milanesa, tudo bem. Mas ele estava indo prum churrasco, onde a carne era ele que comprava. Dada todas as risadas possíveis, até que ficou boa. Um certo Maestro comandou o espeto.

O Desafio do Século


Notas do Jogo

Pelo nível técnico da partida, sem precisar elogiar a parte física dos atletas, o scout contabiliza como partindo de 6 a 10 as notas.

Paulinho Evangelista (8,5 - Craque da partida. Raul Plasmann é fichinha perto dele)
Ricardo (7 - Voltou a mostrar o futebol dos primeiros jogos, decisivo)
Sérgio Negrão (7,09 - Fez o gol da vitória, apesar de ter chego atrasado. Mas vida de músico, boleiro e jornalista a gente sabe como é)
Cleber do DC (6,87 - Não tomou caneta do Maestro, estava firme na defesa, mas mal fisicamente)
Felipe Albertoni (7,12 - Melhor partida desde a sua chegada)
Pedro (7,24 - O fato de ter ido na Parada da Diversidade de Criciúma deve ser ignorado, mas o indiscplinado taticamente mostrou bom futebol)
Jorge Jr (7,39 - O Maestro comandou a orquestra na virada. Gols, passes, tabelas e esbanjando o futebol latino com a camisa da Costa Rica)
Cleber do HoraSC (7,16 - O canhotinha de ouro, técnico, rápido, quase o Ligeirinho)
DieGOL (7 - Maior média da sua carreira futebolística)
Paulinho Scarduelli (6,89 - Fez um lance digno de Maradona, mas finalizou como Souza)
Andreis Perone (7,28 - Não tem brincadeira. Só ri quando quebra a perna de alguém)
Cleber Ypioca (7,81 - Um enólogo da cachaça. Sabe de todas. Ah, era o célebro do time)
Daniel Vicente (6,79 - Tá vendo muito Arnaldo Cézar Coelho e Gódoi. Tem que deixar de apitar o jogo)
Richard (6,99 - Jogo de despedida, acho que fez gol)
Silvestre (7,33 - Mescla jogada geniais com lances vergonhosos)
Fernando Evangelista (7,61 - Melhorando a cada jogo a reposição de bola, mas falta agilidade. Se chutar rasteiro é meio gol)
Jerônimo (7,88 - Craque dos Rédis na linha. Gols, passes, jogadas, carregou o piano e o palco pro Maestro)

Ficha Técnica

Os Bluus (11)

Fernando Evangelista; Daniel Vicente, Cleber do DC, Cleber do Hora, Andreis Perone, Pedro, Cleber, DieGOL e Negrão.

Os Rédis (10)

Paulinho Evangelista; Jerônimo, Richard, Jorge Jr, Ricardo, Paulinho Scarduelli, Silvestre, Felipe Albertoni

Cervejas: Mais de mil
Ypiocas: Três só na conta do Cleber
Bife: Seis fatias para o churrasco
Linguiça: Aurora

Um comentário:

Fabio Lima disse...

Bom dia pessoal. Fiquei emocionado com todos os lances e jogadas na qual eu não participei, que com certeza teria marcado os tantos gols perdidos.
Tá certo que a minha nota não passaria de 7,0, porém, contudo, entretanto, sinto falta das peladas matinais de sábado.
Após problemas pessoais e instranferíveis com relação a mudanças, cachaçadas iniciadas na sexta e encerradas no domingo, meu retorno aos gramados é quase certo para este sábado. Estou apenas aguardando a documentação.

Após o pedido da torcida, a cobrança da imprensa e da direção do clube, o som no Playbal neste find será um só...."ôôôôô o Lima voltou, o Lima voltou".

hehehehehehe