quinta-feira, outubro 29, 2009

Boleiros da Bola - Jogo 28


Sábado de sol, ao invés de alugar um caminhão, fomos ao Playball correr atrás de uma bola. 14 marmanjos sedentos por encostar o pé numa esfera plastificada, mas que ganha vida cada vez se sente acariciada pelas mais diversas chuteiras.

Os Rédis, após sofrer com um gol a virada nos últimos minutos na partida 27, os rubros avermelhados deram o troco na mesma moeda. Venceram com um gol do matador Fellipe Sampaio. Um tabu foi quebrado no certame, o zagueiro Andreis Perone perdeu o seu primeiro jogo como profissional do Boleiros da Bola. Vinha de quatro vitórias consecutivas. Vinha!

O Jogo

Gols relâmpagos como o do Fred, na época que jogava pelo América-MG, não são tão comuns de ver. No Boleiros da Bola, menos ainda. Cristiano Padilha, rápido como uma criança no pedalinho, abriu o marcador com menos de um milésimo de segundo. Os Bluus ainda estavam sem um jogador, já que uma crise de diarréia impedia o atleta de chegar ao campo. O gol foi um preságio de que o dia seria azul, e foi, mas só no céu.

Tão logo os tentos foram tomados, o time da cor do capeta reagiu com uma partida incrível do atacante Felipe Albertoni. Diz a lenda que foram 4 ou 5 gols no jogo. Finalizando bem, os Rédis logo viraram o placar e ficaram mais tranquilos pensando na vitória, mas o jogo complicou no finalzinho e Fellipe Sampaio, o iluminado, fez o gol da vitória.

Troca de Goleiros


Banko (foto) começou no gol dos Rédis, mas depois trocou com Paulinho Evangelista, já que o Fernando sofreu uma lesão na patela do cotovelo e saiu fazendo beicinho. A troca, além de equilibrar o jogo, serviu para mostrar que a escola Boleiros da Bola de goleiros está em franco crescimento. Mais de 50% por jogo.

Banko defendeu finalizações certeiras do Maestro Jorge Jr, assim como Paulinho e Fernando Evangelista. Todos os jogadores, pelo menos uma vez, pararam nos paredões.

Futebol Arte

Jogo sério, profissional, tem que ter caneta e balãozinho. Silvestre, malandro, enfiou duas canetas na rapaziada que se atreveu a marcá-lo. Já o Maestro Jorge Jr, roubando a marca do Cleber Ypioca, distribuiu dois balões no recém chegado Edu. O primeiro foi normal, a bola quicou e o defensor passou batido.

O segundo, esse sim, foi felomenal! A bola veio da defesa rasteira, rápido, e no lampejo o Maestro levantou de calcanhar, de chaleira, encobrindo milimetricamente o beque. Na sequência, concluindo o drible, ainda fez duas embaixadas e seguiu com a bola, arriscando um potente chute que passou rente à trave.

Notas do Jogo

Felipe Albertoni (7,87)
Padilha (6,88)
Jorge Jr (6,41)
Silvestre (6,77)
Cleber do HoraSC (7,01)
Fellipe Sampaio (6,34)
Cleber Ypioca (7,24)
Paulinho Evangelista (7,98)
Ricardo (7)
Daniel Vicente (6,92)
Alano (6,44 - Falta muito ritmo de jogo)
Edu (6,99 - Estreia promissora)
Banko (7,69)
Cleber do DC (7,05)
Fernando Evangelista (Sem nota - jogou pouco)

Ficha Técnica


Os Rédis (11)

Banko (Paulinho Evangelista); Cleber do DC (Fellipe), do Hora e Ypioca; Jorge Jr, Felipe Albertoni, Daniel Vicente e Alano.

Os Bluus (10)
Fernando Evangelista (Paulinho Evangelista, Banko); Andreis Perone, Padilha, Ricardo, Fellipe (Cleber do DC), Silvestre e Edu.

2 comentários:

Dinda disse...

Oi, Ju

Teus comentários sobre estes jogos aos sábados estão muito atrasados. Muito trabalho??? Qualquer dias desses gostaria de ir assistí-los. Estou indo ao Rio de Janeiro neste final de semana. Até a volta.

Tua Dinda

Anônimo disse...

gato mestre diz!

A sorte de vcs é que eu não estou em campo!

Deixei de ser o gato de botas e virei o gato mestre.

ha ha ha de acordo com os matémáticos esses dois times fuleiros de vcs, não irão subir para a série C este ano.

MINHAUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUU