domingo, novembro 15, 2009

Chegou a hora dessa gente bronzeada mostrar seu valor

Figueirense 2 x 1 Bragantino

Determinação e Fé! Tamo junto Figueira!

São vitórias como a deste sábado que levam um time a conquistar o seu objetivo (ou não, diria @oclebermachado). É a mesma relação que se faz na retomada do Fluminense na Série A, é quando o time é mais que os 11 jogadores em campo, o técnico vira figurante e a torcida faz o seu papel em dobro.

Critico, e sempre vou criticar, a passavidade da torcida do Figueirense no Scarpelli. Tirando aquela duzia que canta pra si, que exalta os seus feitos nas brigas pelo Estado, o resto só é vaia, xingamento e risada. Esse tipo de torcedor, que é maioria, não sobe com o time. Só desce.

Valorizo aquele que empurra o time, não está nem aí pra que torcida participa, o foco é o Figueirense. Esse torcedor, que não é maioria, jogou com o time até o final. Tirou bola com o olho e está dormindo feliz da vida. Esses, que conheço alguns, fazem a diferença.

Vaiaram o cara que fez o gol da vitória, o cara que fez a jogada pro gol e o técnico ainda é o burro nessa história. Faltava uma jogada pro Marcelo se reafirmar, o cara é bom de bola, sabe jogar. Faltava confiança pra todo mundo, e acho que agora ela está sobrando. Maicon é bem intencionado, tem qualidade, mas não está rendendo. Massari entrou bem, talvez seja melhor na meia do que na lateral. É uma opção pra vaga do Maicon.

O Atlético-GO perdeu pro Ipatinga por 1 a 0, excelente resultado, e falta o Figueirense ganhar as próximas duas, o Atlético empatar uma e até vencer uma,que mesmo assim o Figueira consegue o acesso. Não dá pra ser sem sofrimento, tem que ser na doído.

Depois do jogo, nas fotos que vocês podem ver abaixo, além das tietes, me chamou a atenção um gurizinho que apertou a mão do Lucas e ficou todo bobo. Chega a lembrar o caso do filho do Costinha quando conheceu o Zico. Teve também o figura que insistia em colar o cartaz no muro. Não desistia, parecia me conhecer de longa data, sendo que foi a primeira vez que o vi.

É esse tipo de torcedor que apoia o time, chora na arquibancada e aguenta gozação quando o time perde. É utopia pedir um estádio cheio só com pessoas assim, mas deu de geladeira.











Deu na telha

O jogo do Boleiros acabou meio-dia e vinte, por aí. Fomos ficando, ficando, passou o jogo da Seleção, vamos embora? Começou o do Figueira. Gol do Bragantino. Vazar? Acabaou o jogo, alegria, o Banko já tinha ido às 17h e ficou eu e o Padilha tomando mais uma geladinha e devorando o resto do frango com linguiça. Acabou o jogo e tive a ideia de ir no estádio pra fazer uma foto pra usar no post.

Eis que paro o carro bem onde os jogadores iriam sair.
Câmera na mão e um monte de gelada na cabeça. Tirei uma meia duzia de foto e fiz uma entrevista em vídeo com o árbitro do jogo, o seu Márcio Chagas da Silva. Sim, totalmente solícito pra conversar com um cara de chinelo, short de futebol, sem camisa (fui jogar com a camisa do Atlético de Ibirama) e exalando o néctar do lúpulo. Essa semana eu subo pro youtube e publico aqui.

Crédito de foto
Foto de Jorge Jr.

Nenhum comentário: