quarta-feira, abril 07, 2010

Advogados Futebol Clube

Não entraram em campo, mas fizeram os seus gols no julgamento do TJD sobre os incidentes no clássico. Tanto Sandro Barreto e Tullo Cavallazzi Filho, pelo Avaí, como Rodrigo Titericz, do Figueirense, defenderam bem seus clientes e conseguiram absolvição em todos os casos julgados.

O Avaí foi o único penalizado. Pagará R$ 5 mil pelo foguete atirado dentro do gramado. Sinceramente? Pouco. Foi justo? Os responsáveis de direito decidiram assim, então está tudo certo. Ou não.

Me envergonhei, na verdade ainda estou, com o que disse um dos relatores do caso do foguete. Pode ter sido acidental, o cara se entregou, mas o que a gente espera de um membro da justiça, mesmo que seja a desportiva, é que o cara não vista a camisa do seu clube do coração. Antes, pelo grande oráculo, o conceito de Justiça.

de justiçajusto; merecido.
fazer justiçaobrar ou julgar segundo o que é justo.

Não sei o nome do cidadão, mas foi o quarto relator no caso do foguete. A explicação dele para o Avaí não perder o mando de campo — acho justo ter pago uma multa, mas com um valor maior — foi ridícula. Defendeu que o clube fosse multado, mas pediu que fosse de mil reais esse valor.

Não falei ainda, de propósito, o motivo que me deixou envergonhado. Jogando com o clube, o relator disse que o Avaí já havia sido punido. Isso mesmo. Nem precisava de julgamento. O gol do Willian, nos acréscimos do clássico, absolvia o clube de qualquer decisão judicial. Dá para acreditar? É difícil.

Encerrando, mais para informar, todos foram absolvidos. Foi feita a justiça? Foi. Mérito exclusivo aos Advogados Futebol Clube.

Siga o Twitter do @PapoFC

Nota: a equipe de designers do blog descobriu um software chamado Photoshop. Faz tempo que existe? Eles não conheciam.

Nenhum comentário: