segunda-feira, julho 05, 2010

Antônio Lopes do Vasco não será o do Avaí

Parece óbvio, e até é, mas o novo técnico do Avaí, Antônio Lopes, já não é mais o mesmo que no Vasco venceu o Brasileirão de 1997 e a Libertadores de 1998. E não é porque o Maricá não joga no Leão, apesar do motivo principal ser a falta de peças em comparação com a Seleção Vascaína. O Avaí  vai mudar.

Adeus 3-5-2 ou 3-6-1

Antônio Lopes é do 4-4-2. A saída do zagueiro Rafael pode facilitar a mudança de esquema, já que Emerson é canhota e Emerson Nunes destro, deixando a defesa equilibrada. O sofrimento será para os laterais, que terão que apoiar menos. A solução é Lopes voltar com o sistema que usava no Vasco, subindo os laterais e retornando os volantes para cobrir as laterais. Funcionava.

Vou comparar os nomes da escalação de 98 com o atual time titular do Avaí. É óbvio a diferença de qualidade, mas o principal é a característica de cada jogador. Lopes é ofensivo, mas faz uma retranca, uma linha de defesa que vai mudar o Avaí. Acabou a época dos três zagueiros.

Vasco de 98
Carlos Germano; Vagner, Odvan, Mauro Galvão e Felipe; Luisinho, Nasa, Juninho e Pedrinho; Donizete e Luizão.

Avaí de 2010
Zé Carlos; Rafael (saiu), Emerson e Emerson Nunes; Patric, Marcinho Guerreiro, Rudnei, Caio, Sávio e Pará; Roberto.

Carlos Germano x Zé Carlos: se equivalem. Zé possui mais qualidade na reposição.

Vagner x Patric: é sacanagem comparar. Vagner era um monstro, driblava um time inteiro, mas pecava na marcação, qualidade que Patric possui. Falta mais qualidade de definição, passe, para o lateral avaiano.

Odvan e Mauro Galvão x Rafael, Emerson e Emerson Nunes: Odvan até se parece com os defensores azurras, mas Mauro Galvão era soberano. Dois valiam, e jogavam, mais que os três, já que tinham o reforço dos volantes.

Felipe x Pará: ofensivos, mas um com extrema habilidade, enquanto o outro vai na velocidade. Cegamente se equiparam.

Luisinho x Marcinho Guerreiro: ambos possuem o mesmo papel, destruição. O volante vascaíno voltava para segurar os avanços do lateral Felipe, enquanto Marcinho joga na frente da zaga.

Nasa x Rudnei: nenhum deles esteve nos braços da torcida. Fato. Rudnei possui mais qualidade para o passe, enquanto Nasa está sendo homenageado pela Fla-Madrid até hoje.

Juninho x Caio: franzinos (na época), os dois saíam rápido com a bola puxando o contraataque. A qualidade na bola parada era o diferencial de Juninho, já que o Vasco ainda contava com Ramón no banco.

Pedrinho x Sávio: lesões? É. Velocidade, canhota habilidosa, dribles para frente e potencial para marcar gols. São iguais.

Donizete x Roberto: rápidos, mas com uma facilidade incrível de perder gols. No mesmo naipe.

Luizão x Vandinho: matadores. Os dois possuem a mesma característica, faro de gol. Luizão sabia usar melhor o corpo, mas estão no mesmo estilo.

3 comentários:

Flávio disse...

hahahahahahahahahahahahahaha!
Tu es maluco ou muito fanático. Comparar o time do vasco campeão da Libertadores com este timeco do Avaí, que vai ser rebaixado para série B e que ganhou o catarinense com ajuda da arbitragem, só pode ser piada.
Sai daí o Ari Toledo

marcos disse...

tu mal se formou e ja ta malhando o avaí.. ta aprendendo bem

Jorge Jr. disse...

Flávio, a comparação é totalmente rasa. O Vasco era uma Seleção. Expliquei ali o motivo da comparação.

Marcos, malhando o Avaí?

Abraços