quinta-feira, julho 15, 2010

Papo com Mauro: Entre a Bola e a Tourada. Olé!

Por Mauro Antônio Pandolfi, jornalista.

A bola vai. Roda macia, certeira. A bola volta. Correta, precisa. De um lado para o outro. Não há pressa. Olé! Olé! A velocidade é só uma fantasia moderna. A bola é tocada, outra vez. Sai de um lado para outro. Olé! Olé! É o jogo "tourado" da Espanha. O adversário é encaixotado no lado da arena. Não há escapatória. O desespero é a saída. E feito o touro, baixa a guarda, lança-se ao ataque. Tonto, é ferido mortalmente. É só um golpe. Mas, preciso, fatal. Olé! Olé! Para os espanhóis a tourada é arte. Para alguns jornalistas esportivos brasileiros o futebol da Espanha é arte. Será?

Sete gols em sete jogos de 90 minutos. O oitavo foi achado na prorrogação. "O gol é só um detalhe". A frase não é de Parreira, justificando seus lentos times, nem de um almanaque de futebol. É de Paulo Vínícius Coelho, o que dá quase no mesmo. O que interessa para PVC é a posse de bola, o ritmo do jogo, a precisão dos passes (pouco importa se são laterais) no controle da partida. David Coimbra, colunista de Zero Hora, disse que o futebol agradece a vitória da Espanha. "É um time que faz um desagravo à arte do jogo, é um time que regenera o prazer de se jogar futebol", escreveu David. Tostão, colunista da Folha de São Paulo, foi mais sucinto. "Viva o futebol bonito", afirmou. A Espanha toureou a bola e os sábios da bola.

A Espanha é um belo time. Marca no ataque, procura encaixotar o adversário. Rola a bola para vencer no cansaço. Isto é pragmatismo. É a prática do jogo. É o pensar tático. Não há o imprevisível na Espanha. Tudo é planejado. De tempos em tempos cria um lance agudo, quase fatal. O Paraguai espremeu a Fúria no seu campo. Anulou o toque lateral. Não venceu pelo erro da arbitragem. A Espanha, na melhor atuação na Copa, massacrou a Alemanha, justo a Alemanha, a mais contemporânea da Copa, sólida na defesa, volantes que jogam como meias e dois articuladores de jogadas mortais. A Fúria impediu a velocidade do ataque, as triangulações precisas, a intensa vontade do gol. A Alemanha marcou 16 gols na Copa. Mas, era pragmática e tosca para os doutos cronistas brasileiros. Eles festejaram a derrota alemã.

Arte é um conceito abstrato. No futebol, mais ainda. A Holanda encantou em 1974 pela rapidez, movimentação e ataque avassalador. A grande vítima foi o Brasil de Zagalo, que tocava bola de um lado para o outro. No meio-campo havia Rivelino e os dois Paulo César, o Caju e o Carpegiani. A gang de Cruyff arrasou a "indolência técnica" do Brasil com o futebol redondo, de intensas trocas e funções. "Viva a Holanda!", bradavam todos. A revolução da bola derrotada em seguida pela extraordinária Alemanha. O tempo voou e o "tico-tico" voltou ao panteão da arte. Olé, Espanha!

Bonito, feio, imprevisível, pragmático, retranca, ataque, marcação. Termos da bola. Discussão que passa dos noventa minutos. A vitória reduz a conversa. O título aniquila a dúvida. Todos preferem a faixa no peito, a taça celebrada na volta olímpica, o choro - ou xingamento- do capitão. Mas, a arte? O termo incomoda-me. O drible de Garrinha é a arte. O soco no ar de Pelé, também. E, a boa marcação, sem faltas, não é? O voleio é arte. A bicicleta, então, nem se fala. E o gol arrancado à forceps, no instante final, na bravura, não é? Ou arte é só pictórico, o drible estéril, o balãozinho inútil, a matada no peito no meio-campo sem nenhum resultado ofensivo, a foca amestrada? Se arte é isto, eu prefiro a força, a energia, a pressão, a fúria dos times cascudos.

O colunistra contratado é ele. Mauro Antônio Pandolfi. Jornalista formado na UFSC, Pandolfi é da primeira geração de repórteres de esporte do jornal Diário Catarinense. Foi um dos convidados para a minha banca de TCC e possui um texto muito bom de ler. Escreveu em 1987 a primeira revista do Avaí junto com Paulo Scarduelli e Paulo Henrique Martins.


O Papo com Mauro não é semanal, mas deve ser pelo menos mensal. São análises diferentes do que exponho aqui no blog. É um plus que dou aos leitores deste espaço.

Nenhum comentário: