quinta-feira, outubro 14, 2010

Síndrome de um jogador a mais, doença do Avaí

Incrível como um time em crise, que não ganha e está com a baixa estima lá em cima, consegue se complicar tanto e desperdiçar as chances que tem quando está com um jogador a mais. No 2 a 1 do Emelec, não foi a primeira vez que o Leão teve um jogador a mais em campo.

Lembrando por baixo, foi assim contra o Flamengo, Atlético-MG e mais alguns. Não recordo se tinha um a mais contra o Ceará, mas fez quatro só no primeiro tempo, aí não vale.

Gostei da postura do time no primeiro tempo, fechadinho, criando contra-ataques. Falta finalizar melhor e ter um pouco mais de visão de jogo nos lances. O "eu" fala mais alto que o "nós" na hora de finalizar. Uma olhada pro lado pode fazer a diferença.

Vagner Benazzi vai ter trabalho, mas acredito que ele possa dar jeito no time e evitar o rebaixamento. No mais, concordo com o título do Miguel Livramento: Jogou como nunca, perdeu como sempre.

Um comentário:

Gilberto disse...

É Jorge. A coisa tá complicada para as bandas da Ressacada. O placar é totalmente viável de se reverter, mas o Avaí conseguirá fazer isto. Infelizmente falta um "matador" lá na frente! Pq para matar o torcedor do coração tá cheio (que o diga Davi).
Só para constar: o time do Santos foi brilhante no primeiro semestre, também por uma razão muito simples, os jogadores tocavam a bola para o companheiro apenas rolar para o gol ...