quarta-feira, maio 04, 2011

Justiça no futebol brasileiro

O assunto é bom e polêmico, mas o julgamento do Avaí me ajudou a refletir sobre o tema de uma outra forma. Escrevi que a classificação da Chapecoense para a final foi justa, mas não existe justiça no futebol. Muito menos no brasileiro.

O melhor time, para a sorte do torcedor adversário, nem sempre ganha. Isso é justo? Depende do ponto de vista. Mas ainda não é isso que quero falar.

A justiça desportiva brasileira, hoje em dia, é uma vergonha. Ponto. As penas dadas aos jogadores de Avaí e Botafogo são a prova disso. Outra prova são as seguidas acusações que são oferecidas pelos promotores.

Hoje, não se pode dar um bico na canela que, se a câmera pegar, lá vai o camarada tomar quatro jogos. Aí, você vê que na Libertadores um pisão no rosto não rende nem um amarelo. Não que a violência deva não ser liberada, mas há um exagero no puritanismo, no bom mocismo que irrita.

Na Copa do Brasil eles ainda pegam leve, mas no Brasileirão, sem a menor dúvida, será motivo para mais um post no blog. O Coutinho, do Figueirense, ainda no Estadual, havia pego quatro jogos por ter revidado, sem acertar, uma porrada que levou. O agressor, pasmem, pegou um jogo, como manda o figurino de quem ganha um vermelho.

Tempo bom era aquele que três cartões amarelos e um cartão vermelho tinham o mesmo peso.

Um comentário:

guto disse...

Concordo contigo, acho errado dar quatro jogos para um jogador que da um bico na canela de um adversário que muitas vezes é coisa do jogo e dar praticamente a mesmo punição para o Loco Abreu por exemplo que acaba o jogo vai pra cima do Marquinos, com ou sem razão jogador não pode perder a cabeça dessa forma pois acaba incentivando a torcia a violência. Parabéns pelo blog, comentários coesos os teus.