segunda-feira, agosto 22, 2011

Avaí, Deus lhe pague!


Pagar do bolso pra ver o Avaí, hoje, é coisa para maluco. Fui à Ressacada assistir Avaí 0 x 0 Coritiba e sai com um monte de impressões sobre o time. Vou escrever por tópicos pra facilitar a minha memória e a leitura. Sobre o título, o campeonato está nas mãos e Deus, não da de Márcio Goiano.

Treinador

Edson Neguinho não tem porte, ginga ou postura de treinador de time de Série A. Passivo demais, parecia um torcedor na beira do gramado, desses que ficam em pé na frente do alambrado. Mexeu mal e, me parece, que aterrorizou o time com o lema "Não Perder". Esqueceu que não se ganha nada com o medo.

Medo

Como jogar pelas pontas se os dois laterais têm medo? Romano é o rei do passe pra trás, tanto que o Gustavo Bastos lançou mais bolas, e errou a maioria, do que ele. Arlan, franzino e ligeiro, se apequenava quando chegava a marcação do lateral do Coxa. A cena do jogo foi um cruzamento fraco, um tochinho, que bateu na rede, rasteiro, pelo lado de fora. Sem condições.

Comando

Voltando ao Neguinho, Bruno e Gustavo Bastos eram quem orientavam os companheiros. Absurdo! Se a questão fosse posicionamento, tudo ok, mas era de como atacar. Pior, os companheiros não obedeciam. Aí, meu amigo, complica. O treinador, mesmo que interino, não fez nada mais do que ser uma figura inanimada na área técnica.

Ataque

Nulo. Inexistente. Pedro Ken é meia, não volante. Para ver a gravidade da situação, Tcheco roubou algumas bolas em tentativas de ataque e saía com qualidade, bem diferente dos jogadores do Avaí.

O capítulo torcida deixo pra amanhã. É uma sacanagem com o torcedor o que o time faz em campo.

Crédito de foto
Foto de Fred Tadeu

2 comentários:

Felipe Matos disse...

Só complementando: É uma sacanagem com o torcedor o que o time faz - dentro e fora de - campo.

Jorge Jr. disse...

Bem lembrado, fora também estão tão feio quanto dentro.