Eu gosto assim de quatro - Fellipe Sampaio

Em pé: Alano, Carmelo, Jorge Jr, Elton e Padilha / Alongando os glúteos: Diego, Cleber, Gonzalo, Fábio Lima e Fellipe Sampaio

Sábado, 11h, futebol no gramado sintético do Flamengo, no Estreito. Jogadores a postos e com o preparo físico em dia, a foto não me deixa mentir, partimos para uma hora de futebol exibição, tipo propaganda da Nike ou Adidas.

Os dois times atuaram com goleiros movéis, no sistema internacional de toma um troca. As ausências não foram sentidas, justamente pelo excelente preparo físico dos atletas, por isso jogamos com a formação do futsal, quatro na linha e um no gol.

Começa o jogo


Time dourado abre o placar com uma pintura, um gol raríssimo de acontecer e, em enquete feita no campo, foi escolhido entre os 3 gols mais bonitos da história do futebol. O autor da façanha? O meio-defensivo-ofensivo-lateral Jorge Jr. Que golaço. Fábio Lima, acho que foi ele, bateu o escanteio e Jorge, de fora da área, acertou um chute de primeira, sem que a bola tocasse no chão, de canela na gaveta de baixo da cômoda do arqueiro Gonzalo, o Velhinho. Placar aberto, depois foi chuva, seria bom se ela tivesse aparecido, de gols.

Fellipe Sampaio, o eterno bola murcha, fez mais de três gols e escolhe a música. Como eu não lembro se ele falou a música, então deixa quieto. Diego Passos, o popular Garry, fez a sua primeira partida de futebol na vida e se mostrou um exímio, como posso dizer, corredor em campo. Fez os seus gols também.

Velhinho

A experiência ganha jogo. Por isso o time do Gonzalo, time verde, venceu a partida. O placar? Só me lembro de um 17 a 12, mas não sei se foi o placar oficial e colocado na tabela da competição. A experiência do único Mestre fez a diferença no jogo, conhece todos os atalhos do campo, inclusive aqueles que não se deve seguir. Bobeou na zaga, entregou gol, mas acertou uma rara trivela, dessas que a filha dele faz em casa com a bola de meia, no cantinho do goleiro Elton.

Vale destacar os lances magistrais do jogador. A primeira foi uma jogada que só quem viaja muito, conhece várias culturas pode fazer. Algo muito popular na Bahia é a capoeira, e o nosso mestre nos brindou com um lance desses que valeu até o "paraná uê, paraná uê paraná".

O outro lance foi mais plásticos, esse só quem é cinéfilo consegue fazer. Foi a imitação perfeita do pequeno Daniel San, do Karatê Kid. Lindo!

Próximo jogo

A cerveja pós partida é o que me motiva a jogar. Do que adiante sair de casa, deixar o filhotinho, jogar bola e depois tomar água? É na mesa de plástico que saem as melhores conversas e onde todo mundo se entende. Já com o nível alcoólico reposto, depois das 13h, sendo que o jogo terminou meio-dia, fechamos em assembleia extraordinária o horário das 11h para o Boleiros da Bola. Adversários? Inimigos? Ainda não. O professor Zagallo, diretamente do Centro de Empalhamento de Mossoró, irá nos observar e escolher o time titular para possíveis confrontos.

Frases (sem os autores, vamos deixar nas internas)

- Vocês estão todos bêbados. Até a Laine Valgas já estão querendo pegar?

- Eu tenho um dvd do Baryshnikov.

Eu não me lembro mais. Precisamos de alguém para escrever a ata das conversas.

Boleiros da Bola

Nome que eu dei ao finado time da primeira fase de jornalismo da Estácio. Fizemos grandes clássicos contra a segunda fase, mas como tudo muda e o nome está registrado, agora passamos a nos denominar assim. Próximo sábado, isso é promessa de campanha para presidente, pretendo levar ao menos um goleiro fixo. Votem em mim.

Todos os sábado, com exceção de hoje, já que estou postando no domingo, haverá informações sobre os Boleiros da Bola.

Ficha Técnica


Time Verde

Carmelo, Padilha, Gonzalo, Cleber e Fellipe Sampaio.

Time Dourado

Jorge Jr, Fábio Lima, Elton, Alano e Diego "Garry".

Gols: Jorge (1), Fellipe (4), Cleber (não sei), Carmelo (alguns), Alano (2?), Gonzalo (2 ou menos), Diego (o primeiro da sua carreira), Elton (não lembro), Padilha (lembro de um só), Fábio Lima (no máximo um).
Cartões amarelos: Dois para o Alano. Colocou duas vezes a mão na bola.
Local: Campo do Flamengo, no Estreito.
Cervejas: 10 ou 12 e um guaraná para o Diego

PS: Na foto eu não escondi a bola do jogo.