Na Ressacada, e em qualquer outro lugar, ganha aquele que soma o maior número de gols. Neste domingo, quando todos esperavam assistir a um passeio de Ronaldo, o outro camisa 9, William, somou 18, dividiu por dois, diminui com o 9 corintiano, e tivemos um noves fora nada. De lambuja ainda deu pra somar três pontos.

Homenagens à parte, o Avaí, assim como na partida contra o Flamengo, jogou mais que o Corinthians. A torcida adversário, apesar de fiel, não intimida a massa azul que sofre todo jogo com as filas e com a proibição da geladinha marota dentro da Ressacada. O time sabe como é difícil a vida do torcedor, e então tratou de fazer o domingo, e principalmente a segunda-feira, mais feliz para os avaianos.

A sombra de Ronaldo, que não é pequena, não intimidou a defesa. Mesmo ele, isso eu não tinha visto, batendo escanteio de canhota, só pra "inticar". Lógico que a expulsão do Balbuena, muito justa, ajudou. Independente disso, desde o início deu pra ver que a vitória era do Avaí. O Marquinhos, que fez o gol contra, me quebrou no Cartola.

Augusto, Eltinho e Léo Gago, sem falar no William, fizeram uma partida digna de Libertadores. Entrega total os 90 minutos, sempre atrás da vitória com objetividade e pouca firula. O Rafael também merece destaque, é um louco na zaga, do jeito que tem que ser. Esse está pronto pra Libertadores.

Enquanto a padaria vender sonhos, o torcedor azurra pode comprar e se lambuzar a vontade. São apenas três pontos do G-4 faltando três jogos. Uma situação bem mais fácil, guardada as devidas proporções, do que a do Figueirense na Série B.

E o Leão na La Bombonera, hein? Já dá pra começar a sonhar acordado com isso.

Crédito de foto
Foto de Alceu Atherino, Avaí FC