Cordeiros de Deus, assistir a uma partida de futebol em Santa Catarina nunca foi tão agradável para as freiras enclausuradas e os monges tibetanos. A Polícia Militar (servir a quem? proteger de quê?) quer trazer novos torcedores aos campos.

Faixas? Não pode.
Bandeira? Não pode.
Bandeirão? Não pode.
Instrumento musical? Não pode.
Sinalizador? Não pode (mas deve ser liberado para o Ressacada On Fire).
Caixão de papelão do adversário? Não pode.
Faixa "Série B -->"? Não pode.
Radinho de pilha? Inacreditavelmente não pode.
Cerveja? Não pode.

Torcedor organizado, esses que se pegam de pau no terminal, jogam bomba em estádio, atacam pedra de fora do campo na torcida adversária, esses, se tiverem cadastro na soberana Federação Catarinense de Futebol, podem!

Daqui a pouco, pode ser até esta semana, seja proibido cantar o hino nacional e gritar gol. Motivo? Os decibéis liberados pelas vozes estrapolam o limite do permitido pela Prefeitura.

Confira os posts do Avaixonados, Nobre Azurra, De Virada e do Castiel sobre o assunto.

Em tempo, logo mais às 14h, a PM vai rever alumas proibições. Todo mundo desceu o cacete na polícia pela proibição. Agora, no dia do jogo, chegou a hora mostrarem que são "bonzinhos"? Tudo isso, como disse o Nobre Azurra, por culpa das organizadas.

Amém!