A torcida do Leão deve agradecer ao Marcos Aurélio e à trave do estádio Couto Pereira. No dia 31 de março de 2010, em Curitiba, acabou a síndrome dos acréscimos. O Avaí venceu o Coritiba por 1 a 0 e está nas Oitavas-de-final da Copa do Brasil (veja como foi a transmissão do jogo).

O primeiro tempo, principalmente os 15 primeiros minutos, foram preocupantes. Se o Coritiba fizesse um gol, do jeito que estava o jogo, o mais provável era que o Avaí não se recuperasse. O goleiro Zé Carlos, que está firme no gol do Leão, ajudou a segurar o 0 a 0.

No segundo tempo, mesmo com o Rudnei em campo, o time melhorou. Foi bater de frente com o adversário, como deve ser. O gol de Caio, aos 23, selou a melhora que o Avaí teve na segunda etapa.

No desespero, desorganizado, o Coritiba ainda teve um pênalti aos 47. Mas Marcos Aurélio, aquele que a torcida avaiana tem que agradecer, fez a paradinha e junto com ela parou ele, a bola na trave e o Coritiba na segunda fase da Copa do Brasil.

O Avaí do Péricles Chamusca é, ou tem que ser, o do segundo tempo. O time cagão, como diria o Miguelzinho, da primeira etapa não serve.

Nota: O SMS enviado pelo amigo Felipinho direto do Couto Pereira. Meu celular é podre, mas entendi o conteúdo enviado, além da alfinetada no Luiz Orlando.

Crédito de foto
Foto de Pedro Serápio, Gazeta do Povo