O @Piangers já avisa há muito tempo que o futebol é um esporte violento. No último sábado, em mais um jogo do Boleiros da Bola, além de fazer quatro gols, e dar várias assistências, acabei quebrando o dedo mindinho da mão direita em duas partes.

O lance foi quando eu estava no gol. Espalmei um chute e me joguei para pegar a bola antes do atacante. Peguei a bola antes dele - aquele lance que os narradores sem falar "na coraaaagem" - mas o chute acertou minha mão e minha nuca. Primeiro doeu a cabeça, depois o dedo latejou e senti que tinha "pelo menos" luxado. A última coisa que foi é malinagem do atacante. Ele não faria isso.

Cerveja tomada após o jogo - sair Playball sem beber dá azar - fui para clínica. Consultado, veio o raio-x. Quando o doutor exclamou - É mais grave do que eu pensava - aí fiquei cabreiro. Falou em sessenta dias para recuperar e, se não ficar direito, é cirurgia. Tô cagado.

Fora não poder trabalhar, ainda mais na Copa, estou terminando o meu TCC. A Jana, minha mulher, além de cortar carne pra mim - coisa que nunca fiz bem - ainda vai digitar o meu trabalho. Vou me sentir o Salim Miguel (sem ironia).

Quinta-feira consulto com um especialista para ver o andamento do gesso, mas é de cara 30 dias de atestado. Como Série A e B pausam para copa, e a Copa SC tá no início do Returno, apresento a justificativa da minha ausência.

PS: vocês não sabem o trabalho que é digitar assim. Manoel Carlos deve me chamar para escrever no blog, agora coluna, Sonhos de Luciana. Mãe, o remédio tem gosto de limão.