O momento do jogo era o intervalo. A torcida vaiou o time que saiu cabisbaixo na primeira etapa. As paredes de tijolo da Ressacada não nos deixaram ouvir e ver o que aconteceu durante os 15 minutos que separaram a apatia da primeira etapa e o ressurgimento do Avaí, aquele time do Sul da Ilha que faz coisa.

Mas o que teria acontecido? Você sabe? Jogador de futebol, sozinho, pode mudar uma partida, só depende da técnica, habilidade e genialidade. Um técnico, como Vagner Benazzi, que leva os boleiros no papo, na conversa, esse sim, muda um jogo sem entrar em campo.

O intervalo foi, abusando do clichê, um divisor de águas para o Leão. Tudo aquilo que o torcedor espera ver de um time, principalmente quando se trata de Avaí, ele viu. Raça, vontade, entrega, força, suor da cor azul. Na arquibancada, aquele mesmo que ficou de lado durante o ano, que viu o preço do ingresso inflacionar mais do que o salário, se fez presente para mostrar aquilo que estava escondido: o seu amor pelo time.

Ontem, foram dois personagens principais. Coincidentemente, os dois não entraram em campo. Parabéns, torcedor avaiano. Como diz o narrador Luiz Alano: "Este é o teu time". Parabéns, Vagner Benazzi. Ninguém sabe o que você falou no intervalo, mas você, mesmo que por um dia, deu uma nova vida do Avaí.

* Esta é a íntegra do texto que está na edição desta sexta no jornal Hora de Santa Catarina