Não deu para o Avaí. Nem com #Avaiday e 16 mil pessoas na Ressacada, o Leão começou a sucumbir com o segundo gol contra de Revson na Copa do Brasil. Fica o gosto da derrota e a sensação que dava, mesmo sendo um time com muitas deficiências, para ter ido Pa final.

Romano como lateral-direito, pra mim, foi a personificação da derrota azurra. Havia outras opções, mas Silas quis crer que uma ideia duvidosa pudesse dar certo. Não deu. O fato de não ter entrado com Rafael Coelho, também, foi um erro. Não é de hoje que Marquinhos Gabriel corre, pedala e nada.

Pois bem, a quinta-feira será de novas avaliações de como foi e como poderia ter sido o jogo do Avaí. Em tempo, terrível as desculpas do Silas na coletiva, de imaturidade, sem experiência e afins. É jogador? Não pode ter medo.

Se me serve de consolo, meu Vasco vai ser campeão! E o título é em homenagem a um belo samba da Unidos da Tijuca. Dedico o post ao Rodrigo Dalmônico e ao Everton Siemann, outros sofredores como eu.

Crédito de foto
Foto de Flávio Neves