O futebol moderno, termo que tenho lá minhas restrições, foi didaticamente explicado na derrota do Avaí por 2 a 0 para o Cuiabá, neste sábado, com dois gols de Rafael Gava. A equipe do técnico Marcelo Chamusca, desde o início, mostrou como iria jogar e tentar vencer. O Leão entrou para o que desse e viesse. Não veio.

Marcando em cima, sufocando a saída de bola e forçando chutões, sem ninguém na frente pra poder pegar sequer o rebote, seja por falta de altura ou velocidade, o Avaí teve a posse de bola improdutiva. Não fez nada - só uma finalização do Gastón Rodríguez no fim do primeiro tempo. Já o Cuiabá pressionou, fez gol e não passou sufoco. 

No segundo tempo tudo ficou ainda mais claro. A lentidão azurra, Valdivia pegava a bola dos zagueiros e chuveirava lançamentos, não é lá uma ideia de jogo que possa vingar um campeonato todo, né? Tampouco um jogo. O Avaí de Geninho se mostrou fraco de ideias, pobre de criação e mirrado na intensidade. Lento e previsível. E o Cuiabá foi lá, saindo em velocidade, e fez o segundo. Um golaço, por sinal.

O Avaí tá mal taticamente, mas devendo muito. Falta tempo pra treinar? Claro que sim. Mas todo time precisa ter um repertório, opções para como o jogo se desenha, mas pela segunda partida seguida o Avaí conseguiu ser dominado, mesmo com mais posse, e perdeu como se fosse normal. 

O Rafael Xavier printou e dá pra notar quem tinha ideia de jogo

Crédito de foto
André Palma Ribeiro/Avaí FC