Não foi com um banho de bola, mas o Figueirense venceu o Botafogo-SP por 1 a 0, gol de Keké, e somou três pontos que tiraram um caminhão de brita das costas da comissão técnica e dos jogadores. Aliás, o técnico Márcio Coelho se recuperou do coronavírus e foi para o jogo - informação sigilosa que só foi repassada para torcida e imprensa meia hora antes da bola rolar. Enfim.

O Figueirense precisava ganhar, não só porque o time estava no Z-4. É preciso somar pontos já, criar alguma gordura ou folga, porque a briga não será pelo acesso. Não é jogar uma pá de cal em quem acredita, mas é a realidade.

Sidão foi o destaque do jogo, importante para o time e também pra ele. Com confiança é um goleiro acima da média para a Série B. 
Mudança

O clube anunciou na sexta uma parceria para reorganizar as finanças, ajustar as contas e cortes serão feitos. Quem já trabalhou em empresa que contratou consultoria para se alinhar no mercado sabe disso. Os tantos passaralho que passei provam bem isso. E o Figueirense é uma empresa, e com corte o investimento será menor, óbvio, e as peças que devem vir não serão aquelas de receber no aeroporto. Vai ser luta, todo jogo, por isso ganhar é tão importante. 

Agora o time mira a Copa do Brasil, contra o Fluminense. Um empate garante mais R$ 2 milhões e pouco na conta. Não dá pra desperdiçar. 

Eu cornetaria mais o setor de imprensa do clube, mas vou esperar mais - assim como a coletiva do Márcio Coelho.

Crédito de foto
Lucas Pacheco/Grupo LX/FFC